quinta-feira, 17 de outubro de 2013

A Fonte do Conhecimento

   Depois de ter sido acolhido por aquele gentil senhor, ele lhe oferece uma boa refeição com frutas, pães e carne, lhe dá roupas mais quentes que as suas, afinal elas estão encharcadas com a neve que lhe castigou durante a viagem e lhe deu um cálice que continha uma bebida de cheiro forte, aparência gosmenta e de cor azul.

- Me diga jovem - disse gentilmente o idoso enquanto você se deliciava com um pedaço de carne assada - Qual seu nome e o qual o seu propósito de procurar a biblioteca?
Após engolir o pedaço de carne você diz seu nome e explica sua jornada, sua curiosidade e sede por conhecimento foi o que lhe trouxe, a fascinação de encontrar um local onde apenas os livros seriam sua companhia e nada lhe seria negado ou omitido, você desejava saber mais sobre os antigos deuses, a guerra que ocasionou o grande mal e salvador de Mystikus, em um breve resumo, você desejava saber tudo sobre este fabuloso mundo em qual nasceu.
- Calma, calma - ele ri de forma descontraída - tenha paciência você terá bastante tempo para apreciar a vasta coleção deste recinto, mas, quando terminar de se alimentar você irá descansar um pouco, afinal a viagem deve ter sido realmente desgastante. E assim que você acordar eu lhe guiarei por todos os salões desta bela biblioteca, agora beba seu Jellvril que irei lhe mostrar seu cômodo.
Você acena com sua cabeça e toma a bebida azulada de uma só vez, que erro o seu, a bebida tinha um gosto fortíssimo e amargo o que fez você tossir por alguns minutos, mas ela lhe trouxe uma sensação prazerosa que fez parecer com que todos o cansaço sumisse e que você havia ficado mais jovem, após degustar a estranha bebida você acompanha o gentil senhor até o cômodo onde descansaria.
    Seu quarto era um lugar bem reconfortante, um simples cômodo de pedra polida de cor azulada, com uma cama de madeira com um colchão de feno coberto por uma manta de Levrine, o tecido feito com os pelos de Birqui, uma ave que ao invés de penas ou plumas, apresentava uma cobertura de pelos macios de cor amarelada, havia também um pequeno criado-mudo que tinha uma esfera em sua superfície parecida com a sua, porém emanava uma luz azul e que transparecia tranquilidade, um travesseiro feito do mesmo material que o colchão e uma manta de pelos de Barklo, as paredes eram decoradas com alguns quadros que retratavam as montanhas, justamente o que você imaginara quando estava em sua jornada, quadros tão belos que você perderia horas apenas os admirando, mas essa não era a hora, o gentil senhor lhe deseja um bom descanso e você se arruma em sua nova cama.
- Que maravilha - você exclamou - Que saudades de ter uma cama dessas.
Sem perceber você cai no sono e por um longo tempo descansa, em seus sonhos visões de como será a biblioteca e os livros que existem nela, tudo o que você sempre quis saber, ao alcance de suas mãos.
   Seus sonhos são interrompidos pelo gentil senhor.
- Vamos jovem, se você perder muito tempo dormindo não terá tempo para ver tudo.
Apesar de ainda com certa preguiça, você se levanta e coloca as roupas dadas a você por ele, ele com um gesto de mão pede que o acompanhe, para que finalmente comece o seu guia pela biblioteca.
  
   Acompanhando-o de perto você admira o caminho pelo qual passam você nota que mal pode ver as paredes de pedra, pois todas elas estão forradas de estantes com livros e mais livros, quando você pensa em perguntar o que são estes livros o gentil senhor parece adivinhar seu pensamento e começa a falar:
- Estes são os livros que eu recomendo ver apenas quando terminar de ver todos os outros, nestes livros você irá encontrar uma variedade inimaginável de ilustrações e pinturas de diversos artistas que relataram em livros a aparência de cada personalidade deste mundo, por isso vamos deixá-los apenas para o final, pois se você ver estes primeiro perderá toda a magia que é usar sua imaginação e permitir que depois você possa ver se estava certo ou não.
Você continua a segui-lo, ao descer uma escadaria feita de pedra bem ornamentada uma porta grandiosa de madeira bem trabalhada com desenhos entalhados em sua superfície e pintados com uma espécie de tinta dourada.
- Este é o primeiro salão, onde você irá encontrar todos os livros escritos durante a Era Gloriosa, o período da criação e da prosperidade de Mystikus. - Disse o senhor.
- Agora me ajude aqui, esta porta é pesada e eu acredito que deseje contempla-la o mais rápido possível.
Forçando a porta ela lentamente se abre, realmente era uma porta pesada e com certeza iria demorar mais tempo se apenas ele tentasse abri-la, pela fresta da porta que foi se abrindo um brilho forte de cor dourada começa a tomar conta do corredor até que finalmente lhe ofusca por algum tempo. Sem enxergar nada você apenas ouve a voz rouca do idoso que lhe acompanha.
- Bem vindo ao salão da Glória, tudo o que deseja saber sobre a primeira era de Mystikus você encontrará aqui, do inicio ao fim quando se iniciou a era de Ferro.
Seus olhos ainda estão se acostumando a tamanha claridade e quando finalmente consegue vislumbrar o salão você pode ver diversas estantes que cobrem um salão circular enorme com muitos livros de diversos tamanhos, você precisaria de pelo menos uma escada com três casas de altura para ver todas as estantes que se empilham encostadas nas paredes, todos os livros nas estantes estão com capaz folhadas a ouro, um metal bem comum em Khazad-Dum, no centro deste salão há um imenso tapete que exibe um brasão de uma mão segurando uma esfera cristalina de cor avermelhada, uma cadeira e mesa feitas de ouro e no final deste salão há uma grande porta de madeira com outros desenhos que simulam armas diversas em confronto, todos os desenhos estão pintados com uma tinta de cor azul metálico, se assemelhando ao Asimik, o metal mais raro de Sharyorn.
- Venha, você terá bastante tempo para ler todos os livros daqui, deixe-me mostrar os outros salões.
Disse o idoso que lhe guia, ao continuar a acompanhá-lo ele abre com mais facilidade a porta ao fundo deste salão, não há brilho como esta sala, há apenas um cheiro de ferrugem muito forte, ao entrar na biblioteca encontra o mesmo ambiente que o salão anterior, porém as estantes são todas de ferro, no centro dele há uma mesa e uma cadeira de ferro, um tapete de cor negra com um brasão avermelhado onde um machado cruza um arco e flecha, os livros seguem a decoração do salão, todas as capas são feitas de ferro e há flutuando no centro do salão uma esfera de cor azulada, ela emana pouco calor porém oferece a luz necessária para poder ler qualquer livro, no final do salão há outra porta de madeira, porém esta lhe parece estranha, as marcas que estão entalhadas na madeira, parecem como um grande castelo todo em chamas, o castelo está pintado de uma cor bem escura enquanto o fogo que o cerca está pintado com uma cor que se assemelha a sangue.
- Este é o salão da era do Ferro, quando os povos mortais começaram a dominar a arte da Guerra ensinada por Roramil. Uma era de grande avanço, porém também foi marcada por muitas guerras e até mesmo o inicio da pior delas.
O semblante dele mudou um pouco transparecendo certa tristeza, mas ele continuou a lhe guiar para a próxima porta.
- Neste próximo salão, você verá todo o resultado do incrível desenvolvimento que foi gerado durante a Era de Ferro, este é o salão do Sangue, quando teve inicio a era da Guerra, quando todos os reinos entraram em guerra e até mesmo os deuses.
Ao entrar neste novo salão um forte cheiro de sangue ressecado, seguindo o modelo dos outros salões, porém no centro não há um tapete e sim uma imensa mancha de sangue ressecado com uma cadeira e mesa feita de ossos, os livros tem capas de couro de Barklo, porém suas páginas são escritas em sangue. A luz avermelhada que emana da esfera que fica no centro da sala dá um aspecto tenebroso ao salão e no final dele mais uma porta de madeira, mas esta está com uma aparência desgastada e estilhaçada.
- Esta é o penúltimo salão mais importante, este é o salão do Caos, aqui estão todos os relatos do surgimento do paladino negro, você verá tanto relatos dos próprios comandados dele, como de pessoas que viveram na mesma época que ele.
Dentro deste último salão, você mal consegue enxergar os livros e estantes, há apenas uma luz prateada fraca no centro do salão que mostra um imenso tapete vermelho com um brasão de uma vinha de espinhos negros envolvendo uma espada de lamina vermelha. Este salão lhe traz uma sensação muito ruim apenas por ficar um tempo nele, os livros quando você se aproxima são feito de material comum e suas páginas não possuem nada de muito chamativo, parece que quem os escreveu não gostou muito de relatar tais histórias. E como em todo salão há sempre uma porta em seu fundo porém ao contrário de todas as outras, ela não tinha nada de especial, apenas uma porta de madeira comum, sem nenhum desenho entalhado, curioso você pergunta o que há naquela porta.
- A curiosidade lhe atingiu não é jovem? - ele ri de sua pergunta - Esta última porta é o último salão da biblioteca, porém você só irá vê-lo quando terminar de ler todos os livros que existem nesta biblioteca e passar por cada um dos salões anteriores, agora venha já está ficando tarde, comeremos alguma coisa e descansaremos pelo dia, estes meus ossos já não são os mesmos.
Ele ri novamente e coloca uma mão em seu ombro lhe guiando por cada salão até a volta para seu cômodo, onde uma refeição quente lhe esperava, desejando-lhe uma boa noite de sono ele se retira. Sentando em sua cama você começa a pensar naquela porta e o que teria atrás dela, mas isso terá de esperar, pois será um longo caminho até sanar a sua curiosidade.

Um comentário:

Receba os contos por E-mail